press to zoom
0050-LayzaVasconcelos-7087
0050-LayzaVasconcelos-7087

press to zoom
0002-LayzaVasconcelos-5229_edited
0002-LayzaVasconcelos-5229_edited

press to zoom

press to zoom
1/7
  • Instagram
  • YouTube
  • Facebook

Mágoas é um dos seis solos que compõe o projeto Sombras. O processo criativo de Sombras foi realizado online e cada artista trabalhou de forma segura, em isolamento. Nestes encontros virtuais o estado emocional de cada artista evidenciou o fato de que cada um passou pelos desafios da pandemia e da quarentena de uma forma diferente. Através de um processo de estudo sobre os chakras e sua aplicação no trabalho do artista, conduzido pela diretora e atriz Thaisa Santoth, cada artista se identificou e se aprofundou em um ponto energético, o que gerou seis interpretações diferentes do processo de isolamento.

Em Mágoas, Luis Rick aprofunda-se no estudo do chakra 4, cardíaco, responsável por nossas emoções e sentimentos, e nos envolve em um processo de autoconhecimento a partir da necessidade de lidar com sua própria dor, confinado sozinho, mas preso às lembranças de outra pessoa. Se vê diante do desafio de revirar seus objetos na intenção de reviver todos aqueles sentimentos, trazendo de volta a dor da mágoa para que assim possa se libertar dela e seguir levando o que sobrou de bom. Mágoas se torna não apenas a superação da dor, mas também o reencontro consigo mesmo.

OS SOLOS DO ESPETÁCULO SOMBRAS

“Mágoas”, com o circense Luis Rick,  nos envolve em um processo de autoconhecimento a partir da necessidade de lidar com sua própria dor.

"Ausência", com Lua Barreto, nos traz um personagem que sente o vazio devastador de perder alguém de forma precoce em meio a toda essa loucura sanitária que nos amedronta.

“Inspira”, com a atriz Thaisa Santoth Fala sobre as intenções da personagem para o ano de 2020 e como o acontecimento da pandemia transformou suas expectativas.

"Refém" , com Zaf PK Popper, nos traz um personagem que, devido ao isolamento social, vê-se preso ao seu vício, equilibrando-se entre vencê-lo ou entregar-se a ele.

"Desejo", Cauê Marques nos faz sentir como o confinamento mexeu com nossa libido e nos obrigou a encarar a solidão e repensar nossas vontades.. 

"Fragmentos", Luciano Di Freitas, nos leva ao reconhecimento da dureza de nos encarar durante o isolamento social, depois de tanto nos esconder de nós.